Rafael Nadal

Nenhum produto coincide com esta seleção.

Rafael Nadal

Em 3 de junho de 1986 nascia em Manacor, Espanha, Rafael Nadal. Considerado o maior jogador de saibro da história, Rafa ganhou seu primeiro torneio no tênis com 8 anos de idade, em um campeonato para crianças de até 12 anos. Dividindo treinamentos de tênis e futebol, o jovem espanhol foi orientado por seu tio Toni Nadal a escolher as quadras e se tornar um profissional.

Início de carreira e grandes vitórias

Em 2002, com 15 anos e 10 meses de idade, Rafa Nadal jogou sua primeira partida de nível ATP, quando venceu Ramón Delgado em Maiorca. No ano seguinte, o espanhol estreou em Wimbledon e chegou à terceira rodada, sendo o mais jovem a conseguir tal feito desde Boris Becker em 1984. Em 2004, Nadal deu um passo a mais em sua carreira. Logo no Australian Open, ele avançou até a terceira fase, quando deu trabalho para Lleyton Hewitt. Pouco depois, em Miami, ele surpreendeu o mundo ao derrotar o então número 1 Roger Federer. Após ficar fora da temporada de saibro por contusão, Nadal bateu Andy Roddick (então número 2 do mundo) na segunda partida da final da Copa Davis e ajudou a Espanha a ser campeã pela segunda vez. Ao final da temporada, ele apareceu na 51ª colocação no ranking.

Ascensão meteórica e Roland Garros

Na temporada de 2005, o espanhol de Manacor investiu nos torneios de saibro e se deu bem. Entre fevereiro e maio foram 5 títulos, entre eles os Masters de Monte Carlo e Roma. Mas o melhor ainda estava por vir. Nadal entrou em Roland Garros pela primeira vez em sua carreira como o 4º cabeça de chave. Duas semanas depois, o espanhol levava a taça dos mosqueteiros para a Espanha após superar Mariano Puerta na final e Roger Federer nas semifinais. Naquela temporada, Nadal ainda ganhou os Masters de Toronto (seu primeiro título em quadra dura) e Madri, além de outros ATPs. Ao fim do ano, Nadal já era o segundo melhor do mundo.

Rei do saibro e rivalidade com Roger Federer

De promessa à realidade, Nadal começou 2006 com tudo e derrotou Federer na final em Dubai. Nesta temporada Federer perderia um total de 5 partidas, sendo 4 para o jovem espanhol. Na temporada de saibro, Rafa venceu todas as partidas que disputou e quebrou o recorde de Villas de 53 vitórias consecutivas na superfície. Ao fim da temporada de saibro europeia, Nadal tinha conquistado o bicampeonato de Roland Garros, dos Masters de Monte Carlo e Roma e do ATP de Barcelona, além de mais 3 vitórias contra o número 1 do mundo. Na mesma temporada, o Touro Miúra alcançou a final de Wimbledon, mas saiu derrotado por Federer.

Em 2007, Nadal continuou sobrando no saibro com títulos em Monte Carlo, Barcelona e Roma, mas viu sua série de 81 vitórias consecutivas na superfície acabar em Hamburgo, na final diante de Roger Federer. Mesmo assim não se abalou e faturou Roland Garros pela terceira vez em três tentativas, sempre superando o principal rival.

No topo do mundo e o título de Wimbledon

A temporada de 2008 prometia grandes momentos para Rafa Nadal. O espanhol alcançou as semifinais do Australian Open, sua melhor participação até então, e foi soberano na temporada de saibro, como de costume. Foram 4 torneios e 4 títulos, com 3 vitórias sobre o então número 1 Roger Federer. O destaque ficou por conta do quarto título seguido em Roland Garros, onde Nadal ganhou todos os sets e perdeu apenas 4 games na final contra Federer, que era derrotado em sua terceira final seguida no saibro francês, dessa vez com direito a pneu.

Mas o melhor ainda estava por vir. Depois de duas finais consecutivas em Wimbledon e duas derrotas para Federer, Nadal encontrou o suíço novamente na decisão no All England Club. Considerada por muitos como a melhor partida da história do esporte, a final teve de tudo: jogadas espetaculares, drama, chuva, match point salvo e um novo campeão. Após um 9-7 no set final, Nadal finalmente conseguiu o título mais simbólico do tênis. Pouco depois, ele assumiria o topo do ranking e ainda ganharia a medalha de ouro olímpica em simples.

Já na temporada de 2009, Nadal e Federer se encontrariam em nova batalha épica: a final no Australian Open. Em uma partida eletrizante, o espanhol superou o rival novamente e conquistou seu primeiro Grand Slam na Austrália. Durante a gira europeia, o Touro Miúra levou dois dos três Masters que disputou, perdendo apenas a final em Madri.

Da queda em Roland Garros à consagração

Pela primeira vez na carreira, Nadal foi derrotado no saibro francês, e justamente para seu desafeto Robin Soderling, com quem havia se desentendido em Wimbledon, no ano de 2007. A derrota chocou o mundo do esporte. Em seguida, o espanhol anunciou que não defenderia o título em Wimbledon por causa da tendinite nos dois joelhos. Naquela temporada, Nadal não ergueria mais nenhuma taça e seria superado por Federer no ranking mais uma vez.

O ano de 2010 começou sob um olhar de desconfiança. Ninguém sabia ao certo se Rafa, então na 4ª colocação no ranking, voltaria a apresentar o nível de 2008. A resposta veio no saibro europeu mais uma vez. Venceu os três Masters em que disputou (o primeiro jogador a conseguir esse feito), perdendo apenas dois sets no total. Em seguida, voltou a triunfar em Roland Garros também sem perder sets. O título ainda lhe rendeu o retorno ao topo do ranking.

Nadal também voltou a vencer Wimbledon naquele ano, batendo Tomas Berdych na final. Dois meses depois, a consagração viria no primeiro título do US Open, lhe rendendo o Career Golden Slam.

Novo rival, nova queda, novo retorno, 4 Roland Garros e 1 US Open

Com a ascensão de Djokovic, Nadal passou a disputar os grandes torneios e o topo do ranking com o sérvio. Foram várias partidas épicas contra Nole, entre elas as derrotas no US Open de 2011 e no Australian Open em 2012, e as vitórias em Roland Garros 2012 e 2013 e US Open 2013.

Entre as temporadas 2011 e 2014, Rafa oscilou entre a primeira e quinta colocação do ranking e faturou 4 títulos em Roland Garros e 1 no US Open, chegando a 14 Grand Slams.

Novas contusões, queda no ranking e novo ouro olímpico

Por seu estilo de jogo em que se exige muito do físico, Nadal sempre foi íntimo de contusões durante sua carreira. Mesmo em seu auge, era comum que o espanhol pulasse um torneio por dores ou cirurgias. Em 2014 não foi diferente. Rafa ficou de fora do US Open e, a partir daí, não conseguiu mais voltar ao seu nível habitual. O espanhol experimentou uma série de derrotas para tenistas bem abaixo de seu ranking em 2015 e chegou a ser o número 10 do mundo.

Em 2016, mesmo sem ser protagonista, o Touro Miúra recuperou a quarta colocação no ranking, venceu o Masters de Monte Carlo pela nona vez e, ao faturar o ATP de Barcelona também pela nona vez, se tornou o maior campeão do saibro ao lado do argentino Guillermo Vilas, com 49 títulos. Uma nova contusão o tirou da terceira rodada de Roland Garros e da chave de Wimbledon. Porém, Nadal foi capaz de vir aos Jogos Olímpicos no Rio e faturar sua segunda medalha de ouro, dessa vez nas duplas, ao lado de Marc Lopez.