Novak Djokovic

Direção Ascendente

6 Produto(s)

Direção Ascendente

6 Produto(s)

Novak Djokovic

Nascido em 22 de maio de 1987 na cidade de Belgrado, Sérvia (antiga Iugoslávia), Novak Djokovic é um fenômeno do esporte mundial. Com apenas 4 anos de idade ele já jogava tênis e aos 12 passou a treinar em uma escola na Alemanha. Em 2004, fez sua primeira partida de nível ATP em Umag, ao ser derrotado por Filippo Volandri, na primeira rodada.

Em 2005 estreou em Grand Slams no Australian Open, quando foi vencido por Marat Safin logo na estreia. O russo venceria o torneio uma semana mais tarde. O primeiro título de ATP de Nole viria em 2006, com a vitória sobre Nicolas Massú no Dutch Open. Pouco depois, o sérvio chegaria ao top 20 pela primeira vez.

Novo passo na carreira

O ano de 2007 reservava grandes momentos para Djokovic. Ele venceria seu primeiro Masters em Miami e alcançaria as semifinais em Roland Garros e Wimbledon, em ambas perdendo para Rafael Nadal. No Masters de Montreal, Nole bateu os números 3, 2 e 1 do mundo (Roddick, Nadal e Federer, respectivamente) para levantar a taça. O último tenista a realizar esse feito tinha sido Boris Becker em 1994. O alemão viria a ser seu técnico anos mais tarde. Um mês depois, Djokovic alcançou sua primeira final de Grand Slam, no US Open, mas acabou derrotado por Federer. A ótima temporada fez com que o sérvio terminasse 2007 na terceira posição, atrás apenas de Federer e Nadal.

O primeiro Grand Slam

Logo no início da temporada de 2008, no Australian Open, Djokovic viveria seu primeiro grande momento de glória. Ao derrotar Jo-Wilfried Tsonga na final, o sérvio levantava seu primeiro Major - de muitos que viriam anos depois. Foi o primeiro título de Slam desde o Australian Open de 2005 que não foi levantado por Federer ou Nadal.

Naquela temporada, Djokovic ainda ergueria os Masters de Indian Wells e Roma e sua primeira Masters Cup. Nos anos de 2009 e 2010, Nole manteve seu bom desempenho, faturou mais 1 Masters e a Copa Davis, e oscilou no ranking entre a segunda e quarta posições.

Número 1 do mundo

O tênis viveria uma grande mudança a partir de 2011. Depois do amplo domínio de Roger Federer e Rafael Nadal, finalmente chegava a vez de Novak Djokovic brilhar. O sérvio, que anos depois passaria a liderar o confronto direto contra as duas lendas, começou a temporada de maneira destruidora, vencendo o Australian Open e os Masters de Indian Wells, Miami, Madri e Roma. Sua primeira derrota no ano foi em Roland Garros, para Roger Federer, no mês de junho. No dia 4 de julho, Novak Djokovic aparecia pela primeira como o número 1 do mundo. Ele ainda venceria mais dois Grand Slam na temporada: Wimbledon e US Open.

Em 2012, Djokovic fez a final mais longa da história da Era Aberta e o jogo mais longo da história do Australian Open, quando superou Rafael Nadal após 5 sets em 5 horas e 53 minutos. A hegemonia do sérvio durou até o meio da temporada, quando foi ultrapassado por Federer. O sérvio recuperaria a posição no fim do ano e só deixaria o topo do ranking novamente no final de 2013, para Rafael Nadal. Durante esse tempo, Nole venceu 6 Masters, 2 ATP Finals (antiga Masters Cup) e o Australian Open de 2013, seu sexto Major.

Recuperação do topo, consolidação como o melhor do mundo e Roland Garros

De 2014 para frente, o mundo viveu sob o comando de Novak Djokovic. O sérvio passou a acumular Masters 1000 e jogar o melhor tênis da carreira. Com quedas de rendimento de Federer e Nadal, Nole recuperou o número 1 na metade de 2014 e passou a dominar o circuito. Venceu em Wimbledon mais 2 vezes (2014 e 2015), no US Open mais uma vez (2015) e no Australian Open mais 2 vezes (2015 e 2016). Faltava ao sérvio apenas a cereja do bolo: o título de Roland Garros, onde fora vice em 2012, 2014 e 2015.

A taça dos mosqueteiros finalmente chegaria à Servia em 2016. Djokovic não deu chances a Andy Murray e coroou de vez sua carreira ao faturar seu 12º Grand Slam, o primeiro na França. Além da glória do título inédito, com a vitória em Roland Garros, Djokovic conseguiu acumular os 4 Grand Slams na sequência, feito que não acontecia desde 1969 com Rod Laver e ficou conhecido como Nole Slam.